segunda-feira, 25 de julho de 2011

A sabedoria do silêncio voluntário...

Depois da morte da Amy Winehouse, como é lamentável ver um bando de gente ignorante e moralista que não entende nada sobre a DOENÇA que é o vício em drogas e álcool, e que vem encher a internet de imbecilidades, dizendo que os viciados apenas colhem o que plantam.



Quando a gente só tem "achismos" a respeito de assunto sério, é melhor guardar pra si: assim você se poupa do ridículo e poupa os outros de testemunharem sua mediocridade.

Façam-me essa gentileza.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

V²=Vo²+2aΔS

Na praia, no mar. Bem lá no meio. Você relaxadamente se banha na água de um friozinho agradável, enquanto o sol brilha no céu e aquece o topo da sua cabeça. Em algum momento desses minutos de prazer, você percebe o céu ficando pesado e nuvens cinzentas agora se interpõem entre você e o calor do sol. A brisa, que antes refrescava, agora causa um desconforto gelado, um trincar de dentes, a pele granulada. Seu relaxamento vai-se dissipando e, em seu lugar, vem um desassossego, uma premência de sair. Uma última submergida e partir. Você solta as bolhinhas de ar em baixo d’água e lembra-se do dia em que procurava por todo canto os óculos que estavam pendurados na gola da sua camisa. Sorri. Emerge e abre os olhos salgados. Olha para a areia, olha para o fundo. Vem vindo uma onda. Imensa onda. Você olha de novo para a areia e calcula: é impossível sair do mar a tempo. Volta-se para o fundo. Imensa onda. Nessa hora, você tem certeza: “Fodeu”. Não te resta escolha a não ser esperar e torcer para que seja o mais indolor possível. Imensa onda. Olhos crescendo, crescendo, crescendo. Agora. Inspira profundamente, e afunda buscando tocar o chão. Estamos todos torcendo por você.
.
.
.
.
.
Imagem: http://blogdeklau.blogspot.com/2009/10/claudio-novoa-50-anos-mar-ondas.html 

quarta-feira, 6 de julho de 2011

O barquinho vai...

Tem gente que quer se livrar de um pensamento intruso evitando pensá-lo, combatendo-o, quando o melhor a fazer é deixá-lo ser pensado até que ele se dê por satisfeito e se vá. 
O segredo é não embarcar com ele. 
Você fica tranquilo, sentado na margem, só assistindo ele se perder no horizonte.
Se achar que merece, dê até um tchauzinho.
.
.
.
.
.
Imagem: http://surfinglifebydani.blogspot.com/2008/06/un-barco-se-va.html