segunda-feira, 5 de julho de 2010

Espólio de merda...


O atleta se posiciona diante da prancha de salto. Em alguns segundos há de dar duas quicadas e o salto que vai dividir sua noção de tempo entre antes e depois. Ele vai estar irremediavelmente molhado.

Pára e olha. Focaliza o trampolim, embaça a piscina. Focaliza a piscina, embaça o trampolim. Focaliza a linha preta no fundo da piscina e embaça a vontade.

Vou ou não vou?

"Gib aus! Gib aus!"

O ginásio foi-se esvaziando e o atleta permanece conversando consigo. Hoje completa 102 anos. Permanece no jogo de enfocar e embaçar o adiamento dos fatos. Sempre que há repórteres ele finge ignorar os flashes e se expõe ao coçar a sobrancelha.
.
.
.
Imagem: noboteco.wordpress.com/2008/06/

Transpassante...

Acho até que já postei isso um dia, mas aí vai novamente:

"Peço licença nessa hora
pra mostrar minha arte, minha dor.
Como tudo que é arte, é sem pudor.
Eu coloco minha alma para fora."

(Maurício Baia).