terça-feira, 11 de novembro de 2008

Citando...

"Peço licença nessa hora
.
Pra mostrar minha arte, a minha dor
.
Como tudo que é arte é sem pudor
.
Eu coloco minha alma para fora"
.
M. Baia.
.
...sem pudor... sei não... tough call...

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Memórias de poesia q foi...

Antes de fazer graduação em Letras, eu costumava escrever. Por algum motivo, essas duas coisas se mostraram incompatíveis e como eu achava o canudo muito importante para garantir o futuro (!)...
.
Minha última atuação como poeta foi em 2003, quando eu decidi tirar uma papelada do fundo da gaveta e participar do III Concurso Literário promovido pelo Diretório Acadêmico Lima Barreto do Instituto de Letras da UERJ.
.
Como eu havia começado minha graduação no segundo semestre do ano anterior, não havia ainda começado a relação de repelência entre essas polaridades. E lá fui eu.
.
Muito sem fé e com medo de voltar de ônibus à noite, nem fui no dia da premiação. Foi minha querida amiga Fernanda Shcolnik - aliás, também premiada - quem me avisou pelo telefone que meu poema ficara em primeirão.
.
Que importante! Meu primeiro (e último) prêmio fora dos festivais da escola! Um poema meu, julgado por professores do Instituto de Letras da UERJ! Uau!
.
Naquela hora pensei que minha carreira se iniciava com o pé direito.
.
Hoje vejo que as coisas caminharam de um modo bem diferente, e acabei entendendo que às vezes as coisas simplesmente (não) acontecem, independente de sonhos e planos.
.
Sai o pé direito e entra a chave de ouro. E fica a boa lembrança das expectativas.
.
.
Meu reino foi finalmente reformado
e veio-me o espontâneo sorriso raro
que perdurou até a hora de dormir.
Só e acordada, passeio na madrugada
morta,
onde só ouço uivos e sístoles.
A quem devo acordar para
pedir amparo, agora que estou
ficando careca e velha?!
Quem há de me doar cortisona
às juntas caquéticas?!

Meu idílio imaginário fede a pascacice
e emolduro a reverência sem dono
na galeria da minha memória,
que me pesa e me incha as veias.
Foi, o olhar, para mim?
Foi, o sorriso, para mim?

Só não lhe mando cortar a cabeça
porque assim perco o enredo único
que me restou
para sonhar,
se durmo no início da manhã!

Como cantasse a meu gosto,
deixei que vivesse esta vida
ainda um pouco mais.
.
.
Aline Pereira Gonçalves
15.05.2002

Annie com dificuldades de concentração...

...a nutricionista diz: reeducação alimentar e exercícios... pelo menos a queima de 4oo calorias por dia... ajusta aí seu Polar.

(...)
Tudo bem, tá tranquilo. Isso pra mim nunca foi problema. Desde que eu me lembro de mim, sempre tive prazer em movimentar o corpo.

Olha, não tá dando certo... a calça não tá entrando, aliás, tá pior.

Mas é por causa da massa muscular. O volume. Tá ótimo, você dimunuiu o percentual de gordura e aumentou o de massa muscular, parabéns! Mas tem o volume.

Hum... tá e então, o que que eu faço?

Mais exercício e menos pão.

Menos?! Ainda?!

Vai dar tudo certo, você vai ver.

(...)

Não me adianta uma nutricionista. A moda agora é a desnutrição. De rico, dá moda. De pobre, dá cinema.

A minha tem dado fome e só.

.
.
.